Os fitoesteróis, também conhecidos como esteróis vegetais, são moléculas de colesterol que podem ser encontradas em plantas tais como grãos integrais, frutas, legumes e verduras. Todas as plantas contêm fitoesteróis, mas a quantidade de esteróis contidos em cada planta ainda não foi bem estabelecida. Embora tenha havido mais de 40 tipos de esteróis vegetais descobertos até agora, três deles são os mais abundantes: beta-sitosterol, campesterol e estigmasterol.

Os fitoesteróis diferem do colesterol de animais apenas ligeiramente na sua estrutura, mas variam consideravelmente na sua capacidade para induzir a aterosclerose (formação de placas de gordura nas paredes das artérias que podem levar a doenças cardiovasculares). Em quantidades elevadas, o colesterol encontrado nos animais pode aumentar os níveis de colesterol no sangue e causar infarto agudo do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC), entre outros.

Os fitoesteróis, por outro lado, são minimamente absorvidos a partir do intestino delgado, de modo que eles não entram na corrente sanguínea. Além disso, os fitoesteróis competem com o colesterol, parando ou retardando a absorção do colesterol da dieta e colesterol produzido pelo fígado, reduzindo seus níveis na corrente sanguínea. Porém, como eles não são produzidos pelo próprio corpo, é necessário incluí-los na dieta.

Encontramos o fitoesteróis em alimentos como nozes, sementes de girassol, canola, soja, trigo, milho, feijões, abacate, legumes e verduras. Mas por mais que comemos esses alimentos todos os dias, a ingestão média de fitoesteróis é de 150mg a 310mg/dia. No entanto, para que haja uma redução do colesterol, como recomendado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (2006), é necessário consumir de 1,6 a 2,0g de fitoesteróis diariamente.

E como conseguir consumir esta quantidade? Hoje em dia encontramos alguns produtos nas prateleiras dos supermercados que contém fitoesteróis, como algumas margarinas e iogurtes. Recentemente foi lançado um leite em pó que contém 1,2g em apenas 400ml do produto.

Diversas pesquisas demonstram que o consumo em doses diárias recomendadas podem baixar o LDL (colesterol ruim) de 10 a 15% em até 3 semanas, sendo uma ótima opção natural e saudável para diminuir o risco de desenvolver doenças cardiovasculares

 

Adriana Siqueira é graduanda em nutrição e possui um portal de conteúdo sobre estilo de vida saudável chamado Arquitetando Corpo e Mente. É autora de artigos sobre saúde, dieta, treinos e suplementos. 

 

Instagram: @drikasiqueira
Blog: arquitetandocorpoemente.blogspot.com.br