Não há nenhuma dúvida que a estação mais fria do ano é uma vilã quando se trata de ganho de peso. Em primeiro lugar, um tempo mais frio e os dias mais curtos significam menos atividade física para a maioria das pessoas. A rotina diária de exercícios requer um planejamento mais cuidadoso seja com o uso de roupas especiais para os treinos ou escolha do tipo do exercício a ser realizado. Em segundo lugar, uma boa comida rica em carboidratos e gordura dá a sensação de aquecer o corpo e acabamos comendo em demasia.

Mas o corpo precisa de calorias extras?

Quer se trate de vento ou neve ou ainda de calor tropical ou seco, nossa temperatura corporal precisa para se manter em torno de 37 ° C. A capacidade do nosso corpo em manter a sua temperatura interna, independentemente das condições climáticas externas, é chamada de "termorregulação". Se estiver frio, o corpo precisa produzir calor e isso é chamado de "termogênese” a qual ocorre através de mecanismos musculares e metabólicos.

Se você ficar parado no frio ao ar livre, você vai rapidamente começar a tremer. Este reflexo é estimulado pelo organismo através da atividade muscular repetitiva e involuntária a fim de produzir calor para aumentar a temperatura do corpo.

Ao mesmo tempo, a exposição ao frio estimula a liberação de um hormônio chamado "noradrenalina", o qual irá aumentar a atividade metabólica que, por sua vez, funciona para aumentar a produção de calor.

A fim de produzir energia na forma calor, o corpo vai buscar usar as reservas de açúcar. Na realidade, o corpo é capaz, por meio de um mecanismo chamado “gliconeogênese”, de produzir glicose para ser usada como energia ao invés de utilizar suas reservas de gordura. Mas este mecanismo entra em ação apenas como um último recurso seja como resultado de jejum, por exemplo, ou ainda à exposição prolongada ao frio de, pelo menos, seis ou sete horas seguidas.

Isto significa que quando você está exposto ao frio por breves períodos ou ainda através de uma exposição intensa por horas, seu corpo não precisa usar suas reservas de gordura. É, portanto, absolutamente inútil comer mais gordura no inverno, nutricionalmente falando.

Comer mais no frio pode um fator emocional. Comer alto teor calórico ou de alimentos ricos em gordura durante dias frios dão uma sensação de felicidade. Além disso, seu corpo entende que você deve alimentar-se mais para que ele possa suportar a temperatura muito fria. Se você está sofrendo este dilema, é aconselhável você comer mais proteína e alimentos ricos em ômega 3, pois estudos demonstram que esse tipo de alimento, como por exemplo o salmão, o deixa saciado por mais horas que o habitual e ainda dão a sensação de mantê-lo aquecido.

Lembre-se que o que você comer no inverno, seu corpo mostrará no verão! 


Adriana Siqueira é graduanda em nutrição e possui um portal de conteúdo sobre estilo de vida saudável chamado Arquitetando Corpo e Mente. É autora de artigos sobre saúde, dieta, treinos e suplementos. 

Instagram: @drikasiqueira
Blog: arquitetandocorpoemente.blogspot.com.br